AULA 2

Como estudar a mídia na escola

Na segunda semana de agosto, fiquei fora para participar do XXIV Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciências da Informação, para o qual fui convidada para falar sobre as políticas de mídia-educação no contexto cultural brasileiro (leia sobre o evento aqui).

Aproveitei a oportunidade para criar uma atividade não-presencial que usasse recursos da chamada Web 2.0 e criei uma “aula-blog”. Depois da discussão inicial sobre a influência da mídia e o papel da educação, o próximo passo seria pensar sobre como promover tal educação.

Organizei a atividade em seis postagens: primeiro expliquei o que são aulas não-presenciais e como as faremos na disciplina, depois expliquei o objetivo da aula, na qual os alunos deveriam ler um texto de minha autoria intitulado “Educação para a Mídia: da inoculação à preparação” e responder três perguntas que relacionam o assunto do texto com suas experiências profissionais. Por fim, vieram as perguntas, cada uma em uma postagem. Os alunos deveriam usar a ferramenta de comentários para respondê-las.

Ao configurar o blog, deixei a opção de comentários totalmente aberta. Caso restringisse a pessoas cadastradas ou com assinatura digital etc, certamente teria problemas técnicos, já que muitos não conhecem esses recursos e se perdem nas funcionalidades do sistema. Como o objetivo era obter participação, arriscamos deixar o blog vulnerável, porém fácil de acessar. As configurações de comentários tinham três instruções: responder na postagem certa; escrever em português padrão e, afo final, colocar o nome completo, a turma e a professora, já que somos em duas e esse registro facilitaria nosso trabalho depois.

Fiquei particularmente surpresa em ver como os alunos fizeram tudo isso. Em outras oportunidades, já vivi confusões homéricas: gente que não acha o endereço, que posta a resposta no lugar errado, que escreve em linguagem compreensível para quem vive num mundo à parte da blogosfera. Mas é assim mesmo, a gente precisa ter paciência, ir tentando até que a cultura se estabeleça.

O texto “Educação para a mídia: da inoculação à preparação” sintetiza três aspectos: problemas decorrentes da influência da mídia, conforme alguns estudos clássicos na área de comunicação, aspectos históricos das relações entre mídia e educação (no Brasil e no mundo) e propostas educacionais para estudar a mídia na escola.

As questões trataram de três questões centrais para uma proposta de mídia-educação: 1. compreender como a audiência “funciona” e que tipo de audiência somos cada um de nós; 2. que tipos de habilidades técnicas dominamos para nos integrar à cultura digital e 3. em que medida conseguimos classificar a cultura midiática em “arte” e “massificação”.

As tendências em si encontradas nas respostas não me surpreenderam, porque cabem naquilo que os estudos sugerem: todo mundo acha que a leitura crítica é ncessária, mas que quem precisa dela e a “massa”, que é sempre composta por pessoas que não nós mesmos. Dos 40 comentários registrados para a questão 1 (que indagava em momentos os alunos se achavam críticos e em que momento se viam passivos), 22 se auto definiram como leitores críticos, 14 disseram que são mais ou menos e apenas 4 se julgam passivos e, na maioria das vezes, incapazes de refletir sobre a mídia.

Entretanto, é no teor dos argumentos que a mente dos alunos se revela e traz à tona suas habilidades, fraquezas e soluções para se posicionar frente a um assunto tão familiar e tão polêmico como é a cultura midiática.

Entre as características de um leitor crítico destacadas pelos alunos estão:

– ser capaz de fazer escolhas frente à avalanche de opções;

– ter conhecimento aprofundado do assunto e conhecer outros pontos de vista;

– enxergar o outro lado da notícia ou da publicidade;

– fazer questionamentos e desmembrar a mensagem para ver o outro lado;

– não ceder ao apelos consumistas;

– ter argumentos para contrariar;

– perceber como a mídia fantasia a vida;

– perceber quando a mensagem usa recursos “lúdicos” para nos convencer;

– ser capaz de ler as entrelinhas;

– ser capaz de não se envolver emocionalmente;

– Não usar a mídia somente para o lazer e a distração.

Boa parte desses argumentos está presente nas definições de leitures críticos presentes em textos acadêmicos e documentos oficiais de governos e organizações engajadas no tema. Mas uma questão prevalece: como fazer isso?

Tome-se os exemplos “perceber como a mídia fantasia a vida” ou “desmembrar a mensagem para ver o outro lado”. Então tá, preciso fazer isso numa aula para amanhã. Por onde eu começo? Como é que eu vou começar a aula? Que recursos eu vou usar? Que tipo de exercício vou fazer? Como vou avaliar se meus alunos aprenderam ou não a “perceber como a mídia fantasia a vida?” E o que é precisamente fantasiar? É dizer que quem casa é necessariamente feliz? Que a Dilma não tem controle sobre o governo? Que o aborto é um pecado terrível e que as mulheres que o cometem devem ser presas? Quem pensa o contrário necessariamente fantasia?

Um dos respondentes, o Vitor Lacerda, aluno do curso de História me ajuda a responder essas questões:

“A princípio, quando estou sujeito à mídia; através do cinema, da televisão, do rádio e dos meios impressos, há uma tendência natural de crítica e interpretação do que é visto/lido. Todavia é comum a evasão progressiva deste espírito crítico quando nossa atenção é seduzida por esses meios midiáticos. A idéia arraigada de que quando se está em casa lendo uma revista ou vendo televisão não é preciso exercitar uma crítica sobre aquilo que nos é imposto pela mídia, é mais trivial do que parece. Exercitar a crítica permanentemente é cansativo de modo que estamos, ouso dizer, em menor ou maior grau, sujeitos ao ataque midiático e seus sedutores conceitos prontos, idéias acabadas e modelos efêmeros. Deste modo, julgo que sou alguém criticamente vulnerável à mídia.”

Pois é, leitura crítica da mídia é um hábito, como comer salada ou escovar o dentes, mesmo quando a gente está morrendo de sono. Nas próximas aulas, vamos criar pequenas oportunidades para estabelecer esse hábito na vida dos alunos.

Anúncios

Sobre ABujokas

Sou graduada em jornalismo, doutora em educação, professora da Universidade Federal do Triângulo Mineiro e pesquisadora no campo da media literacy/mídia-educação. Embora viva na terra do boi Zebu, não tomo leite e não como carne, porque fazem mal para mim e para o meio ambiente.
Esta entrada foi publicada em Registro de aula com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s