AULA 4

Stuart Hall e as narrativas gráficas

Depois de conhecer as justificativas e alguns fundamentos da mídia-educação, os estudantes vão começar a explorar conceitos e linguagens. O tempo é um curto, são 15 semanas de uma disciplina com 2 créditos, então nossa saída é aglutinar diversos aspectos no estudo de casos  específicos.

Escolhemos o tema “narrativas gráficas”, para tratar de quatro aspectos: a estrutura narrativa de textos midiáticos, signos verbal e não-verbais, histórias em quadrinhos, produção e recepção. A terminar esse tema, esperamos que alguns processos de produção se tornem claros para os alunos e que eles consigam examinar uma mensagem midiática audivosial “por dentro”, tecendo hipóteses sobre o seu processo de produção.

Se formos felizes nesse processo, então teremos estudado o processo de codificação e decodificação, um conceito fundamental da abordagem dos Estudos Culturais Britânicos, que são a nossa fundamentação teórica na disciplina “Comunicação, Educação e Tecnologia”.

Em um texto escrito em 1973 (o ano em que eu nasci!), Stuart Hall criticava os estudos tradicionais que concebiam a comunicação como um processo linear do tipo emissor-mensagem-recepção. Estudando o modo como as pessoas decodificavam novelas, filmes, publicidade, os críticos do modelo linear propuseram um outro, “uma estrutura produzida e sustentada através da articulação de momentos distintos, mas interligados: produção, circulação, distribuição/consumo, reprodução”.

O primeiro modelo – o linear – concebia a comunicação como um pacote veiculado por uma estrada de ferro: o emissor empacota a informação que é transmitida pelo canal; o receptor a desempacota e usa, conforme as instruções implícitas na própria mensagem. A ideia de público por trás desse modelo é o da massa passiva, que sofre todas as influências planejadas pelos produtores de conteúdo.

O segundo modelo – uma espécie de circuito com diversas dimensões integradas – vê a comunicação como um processo complexo e muitas vezes imprevisível: o emissor tem uma ideia e a codifica dentro dos limites da linguagem e das condições de produção, tentando prever e atender as expectativas do seu público; ao ser codificada, a mensagem se torna um pacote vazio de significado, porque deixou o sentido idealizado pelo emissor, mas ainda não recebeu a interpretação do receptor.

Quando está sendo interpretada pelo público, a mensagem volta a ser preenchida de sentido. Entretanto, nesse processo, parte do sentido idealizado pelo emissor chega ao receptor e parte se perde. Isso acontece porque o receptor negocia sentido com o texto, levando elementos do seu próprio repertório para a mensagem. O público, portanto, age como uma espécie de co-autor, é ativo e nem sempre sofre as influências da mídia.

Hall identificou três tendências de recepção (que ele chama de “decodificação”) e que foram resumidas no post “O papel da mídia e o papel da educação”.

Nas próximas seis aulas vamos estudar a codificação das narrativas gráficas e sua decodificação pelo público. Embora o foco seja a linguagem visual – já que estamos tratando de textos gráficos – nossa proposta é misturar fontes de informação multimídia e, assim, estimular os alunos a desenvolver habilidades de ler e estudar usando diversas linguagens: áudio, vídeo, texto e imagem.

Nossas atividades serão assim programas:

  1. Analisar o anúncio “Todos os animais têm as mesmas partes”, do PETA e discutir as intenções dos autores e as possíveis interpretações do público;
  2. Conhecer fundamentos da semiótica ouvindo o programa “Língua, Linguagem, Linguafone”;
  3. Identificar os tipos de signos no anúncio “Todos os animais têm as mesmas partes”, e refletir sobre o processo de codificação, as intenções dos autores e a ideia de público que está implícita na mensagem;
  4. Estudar o conceito de estruturas narrativas conhecendo a tragédia grega “Medéia” e o modelo universal de Todorov;
  5. Analisar a estrutura narrativa dos vídeo clipes “The Day that never comes”, do Metallica, “Thriller”, de Michael Jackson e a propaganda “Mangueira”, da operadora Vivo;
  6. Estudar a linguagem típica das histórias em quadrinhos a partir do capítulo “Leitura de Steve Canyon”, do livro “Apocalípticos e integrados” de Umberto Eco;
  7. Estudar o caso das tirinhas da personagem “Aline”, do cartunista Adão Iturrusgarai, em particular aquelas sobre o uso de LSD e a reação de leitores do jornal “Folha de São Paulo”.

No momento em que planejo essas aulas, a proposta me parece perfeita. Entretanto, como aula também é um processo de comunicação, toda a codificação que eu fizer estará sujeita à decodificação dos alunos. Nesse processo, eles irão interpretar as mensagens e o meu discurso com o repertório que eles têm – e que também é preenchido com lugares comuns que aprenderam nas suas próprias experiências com as mídias.

Esse tem sido um processo desgastante, tanto pra mim, quanto pra eles. É difícil para um estudante aceitar que parte do que ele pensa e interpreta é, na verdade, reprodução irrefletida de discursos hegemônicos, que nem sempre somos os donos da nossa própria consciência.

Mais difícil ainda é pôr o cérebro para funcionar e aprender a decodificar uma linguagem que parece tão natural, mas que é socialmente construída. A coisa que eu mais ouço nas aulas é “eu jamais veria isso!”, ou “a professora ta viajando!”

De minha parte, todo semestre, enfrento a mesma crise: faço um curso baseado em certo e errado ou chuto o balde e arrisco a fazer atividades e avaliações que desafiem a criatividade, a capacidade de análise crítica e que, por isso mesmo, não tem como ser analisadas em termos de certo e errado, mas sim em capacidade de argumentar e discutir?

Vamos ver no que é que isso tudo vai dar dessa vez…

Anúncios

Sobre ABujokas

Sou graduada em jornalismo, doutora em educação, professora da Universidade Federal do Triângulo Mineiro e pesquisadora no campo da media literacy/mídia-educação. Embora viva na terra do boi Zebu, não tomo leite e não como carne, porque fazem mal para mim e para o meio ambiente.
Esta entrada foi publicada em Registro de aula com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s